Homem bom na cama


Partilhar:

Uma mulher, farta dos pontapés e das estaladas que o marido lhe dava quando estavam na cama, decide separar-se e pôr um anúncio no jornal, à procura de um homem que não desse pontapés, nem estaladas, mas que fosse bom na cama.
Certo dia, tocam à campainha e ela abre:
Era um homem sem braços e sem pernas, numa cadeira de rodas.
-O que é que o senhor deseja?
-Venho por causa do anúncio, como vê, não lhe posso dar pontapés, nem estaladas.
-Mas o senhor não deve ter lido o anúncio todo, eu pedia também um homem bom na cama.
-Oiça lá! E como é que julga que eu toquei à campainha.

Anedota enviada por Amilcar Alhão.

Perfume para a atenção


Partilhar:

perfume computador

Desejo que o meu marido me dê mais atenção.
Tem algum perfume com aroma a computador?

Mulher gostosa herdeira


Partilhar:

Um homem bem sucedido morreu e deixou tudo à sua dedicada esposa. Ela era uma bela mulher e estava determinada a conservar a herdade enorme que o marido lhe deixara, mas sabia muito pouco das actividades da herdade, por isso, decidiu colocar um anúncio no jornal para contratar um empregado.
Dois homens candidataram-se ao emprego. Um era larilas, o outro um bêbado. Ela pensou muito seriamente sobre o assunto, e, como mais ninguém se candidatou, decidiu contratar o candidato larilas, pensando que seria mais seguro tê-lo perto de casa do que um bêbado.
Ele revelou-se como um excelente trabalhador, pois fazia longas horas de trabalho por dia e sabia imenso do trabalho da herdade.
Durante semanas a fio, ambos trabalharam muito e a herdade estava muito bem. Então, um dia, a viúva disse ao empregado:
-Fizeste um óptimo trabalho e está tudo impecável. Já é tempo de ires até à cidade e divertires-te um bocado.
O empregado concordou e no sábado à noite foi até à cidade.
No entanto, já era 2 da manhã e ele não voltava. 3 da manhã, e empregado, nada!
Finalmente, pelas 4, lá regressou e à sua espera, sentada numa cadeira, com um copo de vinho na mão, estava a viúva. Chamou-o para junto dela e disse-lhe:
-Tira os meus sapatos.
Ele fez o que ela disse, muito lentamente.
-Agora, tira a minha blusa.
A tremer, ele fez o que ela pediu.
-Agora, tira a minha saia.
Ele tirou com muita gentileza deslizado a saia pelas pernas e colocou-a junto à blusa no chão…
-Agora, tira o meu soutien.
Novamente, com as mãos a tremer, ele fez o que lhe era dito e deixou-o cair no chão.
-Agora… tira as minhas cuecas.
Nervoso, e a observar constantemente os olhos dela, ele puxou-as suavemente para baixo e tirou-as.
Então, ela olhou bem para ele e disse-lhe:
-Se voltares a usar as minhas roupas para ir à cidade, DESPEÇO-TE!

Anedota enviada por Zeca Galhão.

«Meu bem!», estou endividado


Partilhar:

endividado banco

«Querido, estou tão endividado que se eu lhe chamar de “meu bem”, o banco leva você embora!»

Mulher que matou o marido


Partilhar:

Está o polícia a conversar na rádio:
– Sr. Sargente, chegamos ao local do crime.
– Passe o relatório… – pede o sargento.
– Uma mulher matou o marido. Foram 35 facadas, dois tiros, depois de asfixiar e decapitá-lo e, por fim, o queimou.
– Nossa, qual foi o motivo do crime? – perguntou o sargento.
– Ele pisou onde ela estava passando o pano.
– E conseguiram capturar a mulher?
– Não sargento, estamos esperando o piso secar…

Anedota enviado por Zeca Galhão.

3 de 812345678