Iogurte no passarinho


Partilhar:

Onde é que a mãe de um passarinho lhe dá o iogurte?
Resposta: Danoninho.
(Dá-no-ninho)

Anedota enviada por Paco Nassa.

Galinha na missa


Partilhar:

Pergunta: Porque é que a galinha foi à missa?
Resposta: Para ver a missa do galo!

Anedota enviada por Paco Nassa.

Influência dos parentes do Joãozinho


Partilhar:

Joãozinho foi preso. No posto da PSP ele disse:
– Ou vocês me soltam ou vou chamar o meu irmão da assembleia de Lisboa, a minha irmã promotora e o meu pai procurador.
Então foi solto. Quando já estava no portão, um agente perguntou:
– Caro Joãozinho, explica-me essa história dos seus parentes e todas essas influências.
– É que o meu irmão é da Assembleia de Deus, a minha irmã é promotora da Avon e o meu pai é procurador de emprego.

Anedota enviada por Paco Nassa.

Fazer xixi no cemitério


Partilhar:

Duas amigas casadas, totalmente bêbadas, sentiram uma vontade irresistível de fazer xixi.
Apavoradas e bêbadas, sem outra alternativa, pararam o carro e decidiram ir assim mesmo dar uma mijada no cemitério.
A primeira foi, se aliviou, e então se lembrou de que não tinha nada para se secar. Pegou a calcinha, secou-se e jogou-a fora.
A segunda, que também não tinha nada para se secar, pensou: “Eu não vou jogar fora esta calcinha caríssima e linda”.
Então, pegou a fita de uma coroa de flores que estava em cima de um túmulo e colocou por dentro para não molhar a calcinha.
No dia seguinte um dos maridos ligou pro outro e disse:
– A minha mulher chegou ontem em casa bêbada e sem calcinha… terminei o casamento.

O outro:
– Você tem sorte, a minha chegou em casa com uma faixa presa na bunda com a inscrição: “Jamais te esqueceremos – Vagner, Moisés, Renato e toda turma da faculdade”.

– Enchi -a de porrada

Anedota enviada por Caipiro(s)kas.

Dói todo o corpo da Loira


Partilhar:

Uma jovem morena vai a um consultório médico e reclama que todas as partes do corpo lhe doem quando ela toca.
– Impossível! – diz o doutor – Mostre-me, não pode ser.
Então, ela toca com o próprio dedo no ombro e grita cheio de dores.
Depois, toca na perna e grita.
Toca no cotovelo e grita e assim por diante…
Qualquer parte em que se tocava, ela gritava.
O doutor pergunta:
– Você não é morena natural, pois não?
– Não, diz ela. Na verdade, sou loira!!!
– Foi o que eu pensei!! – diz o doutor – O seu dedo está partido, minha filha!

Anedota enviada por Zeca Guedes.