Saco na farmácia


Partilhar:

Vai um tipo ao supermercado comprar preservativos. Quando está na caixa a pagar, a empregada pergunta:
– Vai desejar saco?
Responde o homem:
– Não obrigado, ela não é assim tão feia!

Anedota enviada por Paco Nassa.

Marmelos da vendedora são bons?


Partilhar:

Um tipo vai ao mercado comprar fruta e pergunta à vendedora:
– Os seus marmelos são bons?
A vendedora:
– Olhe, freguês, o meu marido não se queixa e eu também não da banana dele…

Anedota enviada por Paco Nassa.

Porteiro de discoteca e ginecologista


Partilhar:

Sabes qual é a semelhança entre um porteiro de discoteca e um ginecologista?
Resposta: É que ambos trabalham num sítio onde os outros se divertem.

Anedota enviada por Miguel.

Morreu a mulher do comerciante


Partilhar:

Morreu a mulher dum comerciante da velha guarda.
O homem, transtornado tanto pelo falecimento como pelo dinheiro a gastar no funeral, ligou para o jornal e disse:
– Gostava de colocar um anúncio na secção de necrologia, mas quero o mais barato que tiver, “MORREU MARIA” basta!
O empregado, do outro lado, um tanto embaraçado, responde:
– Meu caro senhor, não deseja algo mais?
– Neste jornal os anúncios têm todos o mesmo preço até cinco palavras!
O homem pensou um pouco:
– Então escreva aí: “MARIA MORREU. VENDE-SE OPEL CORSA”.

Anedota enviada por Amilcar Alhão.

Médico substituto


Partilhar:

Um médico queria DESCANSAR e ir pescar.
Então aproximou-se do seu assistente e disse-lhe:
– Evaristo, amanhã vou pescar e não quero fechar a clínica. Acha que consegue cuidar dela e de todos os pacientes?
– Sim, senhor! ? respondeu Evaristo.
O médico foi pescar e voltou no dia seguinte.
– Então, Murphy, como correu o dia?
– Cuidei de três pacientes. O primeiro tinha uma dor de cabeça e, então, eu dei-lhe Paracetamol.
– Bravo, meu rapaz .
– E o segundo? – perguntou o médico.
– O segundo teve indigestão e eu dei-lhe Guronsan – informou Evaristo.
– Bravo, bravo! Você é bom nisto? E o terceiro? – perguntou o médico.
– Bom, doutor, eu estava sentado aqui e, de repente, abriu-se a porta e entrou uma linda mulher. Ela arrancou a roupa, despiu tudo, incluindo o sutiã e as cuequinhas. Depois deitou-se sobre a secretária, abriu as pernas e gritou:
«AJUDE-ME, pelo amor de Deus! Há cinco anos que eu não vejo homem!»
– Nossa Senhora, Murphy, o que é que fez? – perguntou o médico.
– Eu pus-lhe gotas de Visadron nos olhos, doutor!!!

Anedota enviada por Zeca Galhão.

2 de 512345