Máquina da Farmácia


Partilhar:

Um dia, Pedro queixou-se ao seu amigo, “Tenho tido muitas dores de cabeça. Acho que vou ao médico.” Seu amigo disse: “Não faça isso. Há um computador na farmácia que pode diagnosticar qualquer coisa e é mais rápido e mais barato que um médico. Basta dizer qual o problema, colocar uma amostra da sua urina, e o computador faz o diagnóstico e diz o que você deve fazer. E só custa 5 €. ”

Pedro não tinha nada a perder, então encheu um frasco com sua urina e foi até a farmácia. Encontrou o computador, colocou dentro a amostra e depositou os 5 €.

O computador começou a fazer ruídos e várias luzes começaram a piscar. Após uma breve pausa, sai do computador um pequeno pedaço de papel que dizia:

Você tem enxaqueca. Você precisa cuidar melhor de si mesmo. Descanse mais, beba muita água e evite luzes fortes, estresse e tensão. Volte aqui em 2 semanas.

Durante as duas semanas seguintes, Pedro pensou sobre como era incrível esta nova tecnologia e como ela iria mudar para sempre o curso da medicina, mas começou a perguntar-se se o computador poderia ser enganado. Ele decidiu tentar algo diferente: misturou água da torneira, uma amostra de fezes do seu cão, e amostras de urina de sua esposa e filha. Para confundir ainda mais o computador, ainda acrescentou um pouco de óleo do seu carro.

Ele voltou para a farmácia, localizou o computador, colocou a amostra dentro e depositou os 5 €. Mais uma vez, disse ao computador que sofria de dores de cabeça. Pedro aguardou com curiosidade para ver o que o computador iria dizer sobre a estranha mistura. A máquina novamente fez os ruídos habituais, luzes piscavam, até que saiu a seguinte análise:

– A água da sua torneira tem muito cloro.

– O seu cachorro está com micose.

– Sua filha adolescente está grávida.

– Sua esposa teve cinco amantes diferentes nos últimos seis meses.

– Além disso, seu carro precisa de um novo radiador.

– E você ainda não entende por que tem tanta dor de cabeça?

Anedota enviada por Amilcar Alho.

Esquecer a chave no carro


Partilhar:

Realmente… A inteligência não é o forte delas! kkk

chave no carro

Estou, é da assistência de viagem? Agradecia que mandassem vir o reboque, a minha amiga esqueceu-se da chave dentro do carro!»

A loira e o limpa-neves


Partilhar:

Numa manhã de inverno um casal ouvia a rádio enquanto tomava o seu pequeno-almoço.
O locutor a dada altura diz:
“Hoje vamos ter neve. Prevê-se a formação de uma camada com 10 a 16 cm de espessura. Lembramos que devem arrumar os vossos carros no lado direito das ruas para permitir a intervenção dos limpa-neve.”
A mulher, loira e com elevado sentido de dever, imediatamente saiu e arrumou o carro no lado direito da rua.
Na semana seguinte novamente enquanto tomavam o seu pequeno-almoço ouvem pela rádio outro aviso:
“Hoje esperamos 20 a 25 cm de neve. Por favor arrumem os carros do lado esquerdo para permitir o trabalho dos limpa-neve.”
A boa mulher lá foi outra vez a correr para arrumar o carro do lado esquerdo da rua.
Passados mais uns dias, tudo se repete. Da rádio lá chega o aviso:
“Hoje esperamos que se formem camadas de 20 cm de neve. Por favor arrumem…”
A energia eléctrica subitamente faltou. O rádio calou-se…
A mulher ficou muito transtornada por não saber de que lado devia desta vez arrumar o carro.
-E agora o que faço? Logo faltou a luz nesta altura… Agora não sei de que lado da rua devo arrumar o carro!” Dizia ela aflita.
Então o marido, com muito amor e compreensão, diz-lhe tentando sossegá-la:
– Olha querida, porque é que, desta vez, não deixas ficar o carro quieto na garagem?

Anedota enviada por JáCinto Rego.

Novo cinto de segurança


Partilhar:

Lançado um novo cinto de segurança totalmente inovador! Acham que isto vai reduzir os acidentes? Manifestem-se!

novo cinto de seguranca

«Novo cinto de segurança de segurança. Para passageiros que dão dicas de condução.»

Marido não vê nada


Partilhar:

Ia um casal de carro, a conduzir sobre uma forte chuva.
Diz o marido para a mulher:
-Não vejo ponta dum corno!
Ao que ela responde:
– Não faz mal, guia-te pelo outro!

Anedota enviada por Amilcar Alhão.

1 de 212