Tudo é relativo para o Joãozinho


Partilhar:

O Joãozinho estava na escola quando o professor pergunta:
– Joãozinho, quanto é dois e dois?
– É relativo, professor, porque se os números estão na horizontal é 22, se estão na vertical é 4.
– Ah… Pensas que és muito inteligente, não Joãozinho? Pensas que és um sabichão, neh? Agora diz-me, quantos são os mandamentos de Deus?
– Os mandamentos são… Bem, e relativo, professor.
– Como é que é relativo!?
– É relativo, porque se são para homens são 10, mas se são para mulheres são 9, porque as mulheres não podem desejar a mulher do próximo, a menos que sejam lésbicas.
– És um filho da p(*), Joãozinho!
– É relativo, professor, porque se na realidade sou filho de minha mãe não?! Mas se sou filho da sua, então sou!

Anedota enviada por Fodelícia dos Santos.

Freira safada


Partilhar:

Uma freira foi a Fátima. E decide 2 dias depois regressar à sua terra, o Porto, e como não tem dinheiro, resolve pedir boleia. Um camionista resolve levá-la e no meio do caminho atira-se à freira e “come-a”.
Uns quilómetros mais à frente, volta a assediá-la, e…pimba, “come-a” outra vez. A freira resolve então rezar e começou a dizer:
-Ó meu Deus, perdoa-me pelo três pecados que eu cometi!
E vira-se o camionista:
-Três pecados? Mas nós só demos duas!…
-Está bem, mas daqui até ao Porto, ainda faltam alguns quilómetros!

Anedota enviada por Fodelícia dos Santos.

Homem da nobreza


Partilhar:

Certo minhoto, nobre de nascença, chegou de noite a uma aldeia Francesa, onde só havia uma estalagem.
Como já passava da meia-noite, bateu bastante tempo à porta até conseguir que o dono acordasse.
Por fim lá ouviu uma voz:
-Quem é? – Pergunta com a janela meio fechada.
-D. João Pedro Fernandes Rodrigues da Cunha Pinto, conde de Barcelos, cavaleiro de São Tiago de Alcântara – responde o nobre minhoto.
-Sinto muito – respondeu o dono da estalagem fechando a janela – Não há cá lugar para tanta gente!

Anedota enviada por Fodelícia dos Santos.

Maluco do autocarro


Partilhar:

Um maluco apanha um autocarro todas as manhãs e compra sempre dois bilhetes para o mesmo sítio.
Passada uma semana, o condutor, intrigado, pergunta-lhe:
-Ouça lá! Porque é que você compra dois bilhetes todos os dias quando lhe basta um?
-É muito simples – responde o maluco – eu coloco um bilhete no bolso esquerdo e o outro no bolso direito. Se eu perder o bilhete do bolso esquerdo, ainda me resta o bilhete do bolso direito. Se eu perder o bilhete do bolso direito ainda me resta o bilhete do bolso esquerdo.
-Ahhh! E se perder os dois bilhetes ao mesmo tempo?
-Não faz mal !! -responde o maluco – Eu tenho passe!

Anedota enviada por Fodelícia dos Santos.

Esqueleto no museu


Partilhar:

– Filho, como correu a visita ao museu?
– Foi muito giro, mãe. Eu até vi um esqueleto enorme!
– Mas tens a certeza de que era um esqueleto de verdade?
– Sim, claro que tenho. Era um esqueleto de carne e osso!

Anedota enviada por Fodelícia dos Santos.